sexta-feira, 17 de novembro de 2017

ORIGEM DO PALHAÇO - PALHAÇO PITOCO

A origem do Palhaço?

Pesquisas feitas com pinturas de cerca de 5.000 anos na China, mostram algumas figuras de acrobatas e equilibristas. A partir dessa descoberta, surge a hipótese de que o circo tenha nascido em terras chinesas. Outra evidência disso é que na época, os guerreiros utilizavam a acrobacia como forma de treinamento para dar mais agilidade e força durante as guerras.
Na Grécia, eles eram chamados de stupides e os cicirus, depois vieram as denominações, os bobos da corte, grotescos, saltimbancos, e os fools.

Na commedia dell'arte apareceram, de certa forma, resquícios da dupla de cômicos, os zanni, servos da commedia dell'arte, cuja relação se aperfeiçoará nos palhaços. A eles cabia a tarefa de provocar o maior número de cenas cômicas, por suas atitudes ambíguas e suas trapalhadas e trejeitos. Existiam dois tipos distintos de zanni: o primeiro fazia o público rir por sua astúcia, inteligência e engenhosidade. De respostas espirituosas, era arguto o suficiente para fazer intrigas, blefar e enganar os patrões. Já o segundo tipo de criado era insensato, confuso e tolo. Na prática, porém, havia uma certa "contaminação" de um pelo outro. O primeiro zanni é mais conhecido como Brighella, e o segundo como Arlecchino.

O palhaço, como conhecemos, surgiu junto com a formação do circo, por volta do ano de 1776, onde os espetáculos seguiam rígida disciplina militar, a caixa dava o ritmo e tudo corria num tempo exato. Para quebrar essa estrutura e assim valorizar a peripécia de seus artistas surge o primeiro palhaço, o recruta atrapalhado, o contraponto.

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

INTERVENÇÃO E BRINCADEIRAS COM PALHAÇO PITOCO

Rir é um ótimo remédio! Traga as crianças para brincarem com o aluno do Técnico em Teatro caracterizado de Palhaço Pitoco.
Atividade gratuita e sem inscrição prévia | Atendimento por ordem de chegada | Programação sujeita a alteração

PALHAÇO PITOCO

Rir é um ótimo remédio! Traga as crianças para brincarem com o aluno do Técnico em Teatro caracterizado de Palhaço Pitoco.
Atividade gratuita e sem inscrição prévia | Atendimento por ordem de chegada | Programação sujeita a alteração

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

sábado, 22 de julho de 2017

FORMATURA

Valeu a pena? Sim, valeram a pena os dias de angústia, de cansaço, de tédio e exaustão. Valeram a pena todos os passos pelo caminho traçado. Cada momento vivido nessa louca correria em busca de um objetivo em comum, valeu a pena.
E agora que não mais irão de mãos dadas e juntos continuar a jornada de suas vidas? E agora que deixam, para também seguirem seus caminhos, os companheiros de longa data? E agora que a estrada se estende ao longe até se perder de vista? Caminhemos.
Navegar é preciso. Não podemos esquecer que, embora a alegria do presente exista, o futuro reserva outras a mais. Se antes a força do conjunto amparava as quedas, hoje estão preparados para aguentar as tramas da vida. Deixar para trás momentos plenos de união e companheirismo é doloroso, mas não podemos nos estagnar no tempo. É necessário seguir em frente, buscar nossos objetivos com muito esmero e dedicação, para encontrar o novo.
A amizade de tantos anos fica, assim como o respeito e as boas lembranças jamais serão esquecidas. O tempo não para e precisamos dar continuidade à vida. Nossos meninos, outrora indefesas crianças, agora estão diante do seu próprio tempo e suas escolhas hoje refletirão o amanhã.
Esta noite é especial para todos nós, professores, pais e amigos. Esta é a noite em que confirmamos que o esforço feito em prol de uma boa educação para nossos meninos valera realmente cada gota de suor, cada lágrima, cada sorriso na construção do caráter de cada um desses alunos da maior escola de todas, a vida.
O momento da formatura não é somente uma festa em homenagem a primeira de muitas conquistas, mas também marca um rito de passagem, quando a criança toma consciência do que é o estar no mundo e se prepara para a interação com ele.
Este é um dia especial para todos nós pela alegria desta etapa concluída com êxito, da perspectiva para o caminho vindouro. Não chegaram ainda ao fim, pois a jornada é longa, mas temos a certeza de que o caminho futuro reserva gratas surpresas.
Por isso afirmo a vocês: sim, valeu muito a pena.

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Inclusão é tema de oficina ministrada na Biblioteca Municipal de Olimpia


Inclusão é tema de oficina ministrada na Biblioteca Municipal
Cerca de 40 profissionais da educação da Estância Turística de Olímpia e da região participaram, nessa semana, de uma oficina sobre leitura inclusiva. O curso “Estratégias para Valorização da Diversidade, Promoção da Acessibilidade e Liderança Inclusiva em Bibliotecas” foi realizado na Biblioteca Municipal do Centro de Artes e Esportes Unificados (CEUs), no Jardim Luiza. Estiveram presentes professores de Bauru, Tabapuã, Catiguá, Uchoa e Jaboticabal, que foram recebidos pela diretora de Cultura, Tânia Gottardi.

A capacitação gratuita, que incluiu palestra, atividades em grupos e debates, foi ministrada pela pesquisadora e consultora em Acessibilidade e Inclusão, Renata Andrade. Durante o curso, foram abordados diversos temas como a Lei Brasileira de Inclusão. “A inclusão é, na verdade, um processo em que cada pessoa tem a oportunidade de desenvolver individualmente suas potencialidades e, assim, contribuir como cidadão para sua comunidade. Uma sociedade inclusiva, ou seja, que oferece condições igualitárias para todos os indivíduos, tende a ser uma sociedade mais desenvolvida e melhor para todos”, afirmou a palestrante.

Segundo Renata, a inclusão é construída a partir da valorização da diversidade e da promoção da acessibilidade. “Isso significa acolher e reconhecer a importância das diferenças e eliminar barreiras que dificultem ou impeçam a plena participação de todas as pessoas sem exceção. Isso inclui a escola e a biblioteca. O que podemos fazer para facilitar a vida dessas crianças? Como devemos trabalhar com esses alunos. O que oferecer a eles?”, acrescentou.

A ação foi desenvolvida pela Prefeitura da Estância Turística de Olímpia em parceria com o Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São Paulo (SisEB) com o objetivo de estimular e apoiar as bibliotecas públicas do Estado de São Paulo na democratização do acesso à informação, ao livro e à leitura.
“Olímpia está de parabéns. O governo municipal fez a parte dele oferecendo esse evento aos professores. Parabéns também aos participantes que aqui estão, que se envolveram e se dedicaram”, finalizou a especialista.

Segundo a bibliotecária olimpiense, Maria do Carmo Kamla Passi, a adesão ao curso surpreendeu. “Abrimos 30 vagas e recebemos quase 40 inscrições. Isso nos motiva a continuar inscrevendo Olímpia nos programas do Sistema Estadual de Bibliotecas Públicas de São Paulo”, completou.